Linguagem LDM

Arquivo LME

O arquivo .LME que define as prioridades entre painéis de vigas e pilares, é criado automaticamente por um dos programas do TQS-Madeira.

Esta prioridade é importante porque ela define qual painel será interrompido e qual painel chegará até o concreto ou qual painel será prolongado para efetuar o fechamento do anterior dependendo do caso. O painel prioritário é o painel que não será interrompido.

Além disto, este arquivo também é responsável pela definição de quais faces de pilares farão o fechamento dos paineis.

Abaixo, apresentamos um exemplo do arquivo .LME

PROJETO 1001

V1YV2Y

V1XV2X

V1XV4Y

V1YV4X

V3XV4X

P1NO1 F2 S 3 F 4 S

P2NO1 F2 S 3 F 4 S

V5YP101 INV

FIM

A informação inicial do arquivo .LME é o número do projeto.

As informações do arquivo .LME se referem a vigas e pilares. Para cada viga e para cada pilar que se cruzam, são fornecidas as sugestões de prioridades dos cruzamentos. Todas as intersecções de cada viga com outra viga ( e suas respectivas faces ( X, Y e Z) são aqui relacionadas com as respectivas prioridades. Se uma viga cruza com diversas outras, todas as definições de prioridades devem ser determinadas.Vigas podem também ter prioridades definidas com relação as faces dos pilares ( com notação de faces 1, 2, 3 etc.)

Importante : Temos dois modos de alterar estas prioridades de painéis: uma alfanumérica e outra gráfica. O que apresentamos nesta seção é a forma alfanumérica de alteração. A forma gráfica está descrita no manual de operação do sistema.

As informações acima tem o significado:

=A viga 1 face Y tem prioridade sobre a V2 face Y

=A viga 1 face X tem prioridade sobre a V2 face x

=A viga 1 face X tem prioridade sobre a V4 face Y. Note que a viga 1 cruza com duas vigas a 2 e 4.

=A viga 5 face Y tem a prioridade invertida com relação ao P10, face 1, isto é, o P10 face 1 tem prioridade sobre a viga 5 face Y.

A definição de prioridade, como já foi dito acima, tem o seguinte significado :

  • • Cruzamento Externo : O painel prioritário ultrapassa o concreto e faz o fechamento do painel não prioritário, que por sua vez é interrompido.
  • • Cruzamento Interno : O painel prioritário vai até o concreto e pode receber um elemento de pressão (se for o caso). O painel não prioritário é interrompido.

No caso da deterninaçào do fechamento do pilar, a nomenclatura usada diz se a face de número N do pilar Fica (F) ou Segue (S). Isto significa o seguinte:

  • • Fica : A face N do pilar termina e a face N+1 do pilar é aumentada para que possa fazer o fechamento da face N do pilar.
  • • Segue : A face N do pilar é aumentada e é responsável pelo fechamento da face N+1 do pilar.

Nos desenhos de cruzamentos, o TQS-Madeira especifica as identificações adotadas para as faces das vigas ( X, Y, Z ) e as faces dos pilares ( 1, 2, 3, etc.). O projetista deve consultar este desenho para alterar o arquivo .LME, porque cada pilar e viga tem a origem independentes de suas faces neste ponto do programa, que pode não coincidir, e geralmente não coincide, com as convenções de faces.

Linguagem LDM

A linguagem LDM ( Linguagem para Definição de Madeira ) é uma poderosa ferramenta para definição de painéis de vigas e pilares de forma prática e produtiva. O arquivo .LDM que contem uma descrição de todos os painéis de vigas e pilares é criado automaticamente pelo programa que faz a geração de painéis, no processamento mais importante do TQS-Madeira. Esta criação automática muitas vezes não é completa e as vezes comete erros e imprecisões. Por esta razão, o arquivo .LDM é uma importante alternativa de modificação dos painéis sem utilizar os recursos de edição gráfica, por ser um meio de alteração muito mais rápido que esta última. A interação gráfica, que é quase uma prancheta eletrônica, é importante para realizar certas modificações especiais nos painéis, que dependem de uma visualização imediata do desenho.

LDM para Vigas

Os dados do LDM referente a todas as vigas do projeto são gravadas num arquivo chamado VIG-nnnn.LDM, onde nnnn coresponde ao número do projeto.

Exemplo de um arquivo .LDM para vigas:

V1

SEC 20.0 , 40.0 DFS .0 LE 8.0 DFS .0 LD .0 DFS .0

X EPF 477.6 ,33.4 EPI

Y 534.0 ,43.2

Z EPF 477.6 ,20.0 EPI

Apresentamos a seguir a sintaxe de definição do arquivo .LDM

Obs : usaremos os seguintes símbolos especiais

[ ] - Item que pode ser omitido caso não seja necessário.

{ } - Item que pode ser repetido o número de vezes que forem necessárias.

(A/B/..) - Item alternativo onde deve constar uma e apenas uma das opções.

Identificação da viga

Vvvv

Onde : vvv são 3 digitos com o número da viga

• Seção transversal

{SECAO b,h [DFS dfsv] [LE he] [DFS dfse] [LD hd] [DFS dfsd]}

Onde:

b e hbase e altura da seção da viga

  • dfsvdesnível da face superior da viga na planta em relação ao pé direito do piso (se houver).

heespessura da laje à esquerda (se houver).

  • dfsedesnível da face superior da laje à esquerda em relação ao pé direito do piso (se houver).

hdespessura da laje a direita

  • dfsddesnível da face superior da laje a direita em relação ao pé direito do piso (se houver).

Para diversas seções transversais numa mesma viga, repetimos a linha acima com os novos valores tantas vezes quantas necessárias.

Painéis laterais da viga

(X/Y/Z/XX/YY) bb,hh [(EPI/MSI nn/SPI)] -

{REC [HAC] [(REPI/RMSI bb/RSPI)] xr,yr,br,hr [(REPF/RMSF bb/RSPF)]} -

{CONT [(REPI/RMSI bb/RSPI)] xc,yi,bc,yf [(REPF/RMSF bb/RSPF)]} -

[(EPF/MSF nn/SPF)] [CAV a1[{,an}]] [SARG a1[{,an}]] [DPH a1[{,an}]]

  • Obs:Os comandos acima tem de ser fornecida para paineis X, Y e Z obrigatoriamente e nesta ordem. Na sequência são fornecidas os comandos correspondentes a paineis XX e YY, caso estes paineis existam.
  • Caso um comando tenha que se extender por mais de uma linha, o que acontece frequentemente, deve-se terminar as linhas com o caractere - (traço) , com exceção da última linha. Uma linha não pode ter mais de 80 caracteres.

A regra geral para definição de cada painel é como se percorressemos a lateral da viga, da esquerda para a direita, descrevendo todas as singularidades encontradas como, elementos de pressão, dimensões de painéis, recortes, variações de seções, etc.

  • As instruções contidas no comando significam :

(X/Y/Z/XX/YY) - Identificação correspondente a qual painel pertence a descrição. A nomenclatura usada aqui é apenas padrão para definição do arquivo .LDM, já que no desenho será usada a nomenclatura definida arquivo de critérios.

bb,hh - Base e altura do retângulo externo do painel. Este retângulo é o menor retângulo possível que consiga conter o painel completo.

[(EPI/MSI nn/SPI)] - Define se existe algum tipo de item especial na borda inicial do painel. O tipo da borda é definido da seguinte forma :

Comando inexistente : Não há nada na borda.

EPI : há um elemento de pressão na borda.

MSI nn : há uma "mosca" de espessura nn na borda.

SPI : há um sarrafo de pressão na borda.

{ REC [HAC] [ (REPI/RMSI bb/RSPI)] xr,yr,br,hr [(REPF/RMSF bb/RSPF)] }

É reponsável pela definição de recortes no retangulo externo. (A área dada ao painel é o retângulo externo retirando-se os recortes). São definidos tantos recortes quantos forem necessários. Tem o seguinte formato :

REC : identifica o comando recorte.

[HAC] : se presente indica que o recorte deve ser hachurado.

[ (REPI/RMSI bb/RSPI)] : se presente indica item especial na borda inicial

do recorte segundo convenção vista acima.

xr,yr : posição do recorte (canto inicial inferior) no retângulo externo.

br,hr : base e altura do recorte.

[ (REPF/RMSF bb/RSPF)] : se presente indica item especial na borda final do recorte segundo convenção vista acima.

{CONT [(REPI/RMSI bb/RSPI)] xc,yi,bc,yf [(REPF/RMSF bb/RSPF)]}

É reponsável pela definição de alterações no retangulo externo. O comando continuação redefine o retângulo externo a partir de uma coordenada xc, dando uma nova origem no eixo Y (yi) e uma novo final no eixo Y (yf). Ainda define bc, que se for maior que zero diz quanto espaçar as duas definições. Tem o seguinte formato :

CONT : identifica o comando continuação.

[ (REPI/RMSI bb/RSPI)] : se presente indica item especial na borda inicial da continuação segundo convenção vista acima.

xc : coordenada x no retângulo externo para iniciar a continuação.

yi : nova origem do retângulo externo no eixo Y.

bc : comprimento da interrupção do retângulo no eixo X.

yf : .novo final do retângulo externo no eixo Y.

Nota : A nova altura do retângulo externo é (yf-yi).

[ (REPF/RMSF bb/RSPF)] : se presente indica item especial na borda final do recorte segundo convenção vista acima.

5a03f7c0a1768be4d23d0f23c88bcc85.png

[(EPF/MSF nn/SPF)] - Define se existe algum tipo de item especial na borda final do painel segundo convenção vista acima.

[CAV a1 [{,an}]] - Define a presença de cavaletes (=garfos) sendo representado na viga através de dois traços verticais paralelos. Deve ser fornecida uma distância para cada cavalete, correspondente a coordenada x no retângulo externo subtraida a coordenada x do cavalete anterior (se houver). Esta instrução só é válida no painel Z.

[SARG a1 [{,an}]] - Define a presença de sargentos (travamentos transversais da viga, normalmente metálicos) sendo representado na viga através de um traço vertical. Deve ser fornecida uma distância para cada sargento, correspondente a coordenada x no retângulo externo subtraida a coordenada x do sargento anterior (se houver). Esta instrução só é válida no painel Z.

[DPH a1 [{,an}]] - Define a presença de divisões de paineis, sendo representado na viga através de um traço vertical. Deve ser fornecida uma distância para cada divisão, correspondente a coordenada x no retângulo externo subtraida a coordenada x da divisão anterior (se houver). Esta instrução é válida para todos os paineis.A seguir veremos exemplos de comandos com seus respectivos desenhos logo abaixo.

V8

SEC20.50.

X EPI 538.544.9 EPF

Y EPI 517.244.9 MSF 6.2

Z EPI 517.244.9 EPF

8c744486d4362188f0d2ac97491d629d.png

V6

SEC20. , 30. DFS 0.LE 9.DFS 0.LD 11.DFS 0.

SEC20. , 30. DFS 0.LE 9.DFS 0.LD 9.DFS 0.

SEC20. , 40. DFS 0.LE 9.DFS 0.LD 9.DFS 0.

SEC12. , 40. DFS 0.LE 9.DFS 0.LD 9. DFS 0.

SEC12. , 58. DFS 0.LE 9.DFS 0.LD 9. DFS 0.

SEC12. , 58. DFS 0.LE 0.DFS 0.LD 9. DFS 0.

X1584.7, 23.9 -

CONT529.4, -10., 0. , 33.9 -

REC529.4, -10., 20.6, 33.9 -

REC 693.7, -10., 29. , 33.9 RMSF 6.2 -

REC RMSI 6.2 1167.7, -10., 40., 33.9 RMSF 6.2 -

CONT 1424.7,-28, 0., 51.9 RMSF 6.2 -

REC RMSI 6.2 1424.7 -28. 40. 51.9 RMSF6.2 -

CONT 1522.4 -28. 0. 62.3 REC 1522.4-28. 29.1 62.3 REPF

Y SPI 1566.5 21.9 -

CONT REPI 152.5 0.0. 23.9-

REC REPI 152.5, 0., 23.6, 23.9 REPF -

CONT 571.3 -10. 0. 33.9-

REC 670. -10. 20.6 33.9 -

REC 1155. -4. 20.6 27.9 -

CONT 1456.3 -28. 0. 51.9 EPF

Z 1559.8 20.-

REC REPI 143.2 0. 23.6 20. REPF -

REC REPI 510.2 0. 53.6 20. REPF -

REC REPI 663.2 0. 14.4 20. REPF -

CONT REPI 707.6 0. 0. 12.-

REC REPI 1149. 0. 43.6 12.REPF -

REC REPI 1406. 0 .43.6 12. REPF

f9eb8ac52c169db2fdb89562b22e1c1e.png

V12

SEC 12. 50. DFS.0 LE 10. DFS .0 LD 0. DFS 0.

SEC 12. 50. DFS.0 LE 10. DFS.0 LD 10.DFS.0

X 1436.541.4 -

REC 412.0 0. 19. 41.4 -

REC 1002.0 0. 19. 41.4

Y 1413.053.2 -

REC 302. 0. 150. 53.2 -

REC 813. 0. 150. 53.2 -

REC 757.5 0. 19. 53.2 -

REC 566.5 41.4 191. 11.8 -

REC 547.5 0. 19. 53.2

Z 1382.012. -

REC 302., 0., 150.0, 12. -

REC 761., 0., 12.0, 12. -

REC 551., 0., 12.0, 12. -

REC 813., 0., 150.0, 12.

d1b2d5edaf1913eac7f98a7d6658e7a6.png

V34

SEC 11. 55. DFS 0. LE 0. DFS 0. LD 8. DFS 0.

SEC 11. 55. DFS 0. LE 8. DFS 0. LD 8. DFS 0.

SEC 20. 55. DFS .0 LE 10. DFS 0. LD 0. DFS 0.

SEC 20. 55. DFS 0. LE 10. DFS 0. LD 8. DFS .0

SEC 11. 55. DFS 0. LE 10. DFS 0. LD 0. DFS .0

SEC 20. 55. DFS 0. LE 0. DFS 0. LD 0. DFS 0.

SEC 11. 55. DFS 0. LE 8. DFS 0. LD 8. DFS 0.

SEC 11. 55. DFS.0 LE 0. DFS 0. LD 8. DFS 0.

X SPI 1280.6 59.3-

REC 25. 0. 23.6 59.3 -

CONT 48.6 0. 0. 49.9 -

REC 160.0. 19.6 47.9 -

REC 626.0. 28.6 47.9 -

REC 1101. 0. 19.6 49.9-

CONT 1232. 0. 0. 59.3-

REC 1232. 0. 23.6 59.3 SPF

Y 1347.9 49.9-

REC RMSI 7.2 104.7 0. 24. 49.9-

REC 314.4 0. 19.6 49.9-

REC 500.4 0. 19.6 49.9-

CONT 520. 0. 0. 49.9 -

CONT 759.4 0. 0. 59.3-

REC 759.4 0. 19.6 59.3-

REC 818.7 O. 29.0 59.3 RMSF 7.2-

REC RMSI 7.2 1138.7 0. 24. 59.3 -

REC 1213.7 0. 29. 59.3 RMSF 1.8 -

CONT 1242.7, 0., 0., 49.9 RMSF 1.8

Z 1273.5, 11. -

CONT REPI 118.2, 0., 0., 20. REPF -

REC REPI 118.2, 0., 50.5, 20. REPF -

REC REPI 754.1, 0., 54.4, 20. REPF -

CONT REPI 808.5, 0., 0., 11. REPF -

CONT REPI 1095.9, 0., 0., 20. REPF -

REC REPI 1095.9, 0., 50.5, 20. REPF -

REC REPI 1146.4, 0., 9., 11.0 REPF

86de13638902e65ed6278581eec2c85d.png

LDM para Pilares

Os dados do LDM de todos os pilares de um projeto são gravados em um arquivo chamado PIL-nnnn.LDM, onde nnnn é o número do projeto.

Exemplo de um arquivo .LDM para pilares:

P3 RET 80.0 20.0

A 80.0 , 245.0

B 36.0 , 300.0 -

REC .0 , 245.0 , 8.0 , 55.0

C 80.0 , 300.0 -

REC 48.3 , 245.0 , 31.7 , 55.0 -

REC 20.0 , 250.0 , 28.3 , 50.0

D 36.0 , 245.0

Apresentamos a seguir a sintaxe de definição do arquivo .LDM

Obs : novamente usaremos os seguintes símbolos especiais

[ ] - Item que pode ser omitido caso não seja necessário.

{ } - Item que pode ser repetido o número de vezes que forem necessárias.

(A/B/..) - Item alternativo onde deve constar uma e apenas uma das opções.

Identificação dos pilares e definição de seção

•Para pilares com seção retangular :

Pppp RET h,b [A B C D] [GIR] [ESPMG x]

Onde :

ppp : número do pilar com máximo de 3 digitos.

h,b : altura e largura daseção do pilar.

[A B C D] : ordem de nomenclatura dos paineis de pilares, começando da face maior no topo da seção e seguindo de forma anti-horária.

[GIR] : se existir desenha a seção girada 90° ao lado dos paineis.

[ESPMG x] : deixa mensagem em seção de espaçamento x de grampos

•Para pilares com seção qualquer : (desenho ainda não implantado)

Pppp QUALQ {(A/B/../Z) xi,yi,xf,yf} [GIR] [ESPMG x]

Onde :

ppp : número do pilar com máximo de 3 digitos.

(A/B/../Z) xi,yi,xf,yf : nome da face seguido de dois pares de coordenadas xi,yi e xf,yf, que definem, na seção transversal, o inicio e o final da face do pilar. Repetir para todas as faces.

[A B C D] : ordem de nomenclatura dos paineis de pilares, começando da face maior no topo da seção e seguindo de forma anti-horária.

[GIR] : se existir desenha a seção girada 90° ao lado dos paineis.

[ESPMG x] : deixa mensagem em seção de espaçamento x de grampos

Painéis laterais do pilar

(A/B/../Z) bp,hp {[REC xr,yr,br,hr][HAC]} [EPB] [(EPC/MSC)] -

[(GRAV/GRAL/GRAM) i b1,b2,....,bi j h1,h2,.....,hj] -

[SA] {[(SEI/SEV) y1,y2]} {[(SDI/SDV) y1,y2]} {[SSI y1,y2]} [V] -

[(L/LA/LP/LI) j y1,y2,....,yj] [(REB/REBX)] [DPH y1{[,yn]}]

  • Obs:Os comandos acima tem de ser fornecida todos os paineis do pilar em ordem alfabética (A..Z).
  • Caso um comando tenha que se extender por mais de uma linha, o que acontece frequentemente, deve-se terminar as linhas com o caractere - (traço) , com exceção da última linha. Uma linha não pode ter mais de 80 caracteres.

Vamos detalhar cada uma das opções.

(A/B/../Z) - Nome da face do pilar a qual pertence o painel.

bp,hp - Base e altura do retângulo externo do pilar.

{[REC xr,yr,br,hr][HAC]} - define recortes retangulares no pilar.

xr, yr : coordenadas do ponto esquerdo inferior do recorte

br, hr : base e altura do recorte do recorte

HAC : diz que recorte será hachurado

[EPB] - elemento de pressão na borda inferior.

[(EPC/MSC)] - define elemento de pressão ou mosca na borda superior.

[(GRAV/GRAL/GRAM) i b1,b2,....,bi j h1,h2,.....,hj] :

GRAV : define a gravata na vertical

GRAM : define grampos

GRAL : define gravata longitudinal

i : número de pontos na largura do painel

b1,b2,....,bi : distâncias entre pontos na largura do painel

j : número de pontos na altura do painel

h1,h2,....,hj : distâncias entre pontos na altura do painel

[SA] : indica a existencia ou não do sarrafo de apoio.

[(SEI/SEV) y1,y2] [(SDI/SDV) y1,y2] [SSI y1,y2] - Estes comandos desenham sarrafos nas bordas laterais do pilar. Sua sintaxe é :

SEI : sarrafo a esquerda do painel invisivel

SEV : sarrafo a esquerda do painel visivel

SDI : sarrafo a direita do painel invisivel

SDV : sarrafo a direita do painel visivel

SSI : sarrafo de suporte invisivel ( padrão "C")

y1 e y2 : ordenadas de inicio e fim do sarrafo

[ V ] : Define que o painel será reforçado por sarrafamento vertical

[(L/LA/LP/LI) j y1,y2,....,yj] - Estes comandos são responsáveis pelo desenho dos sarrafos horizontais do pilar. Sua sintaxe é :

L : sarrafos horizontais com dimensão do sarrafo padrão.

LA : sarrafos horizontais com dimensão do sarrafo auxiliar.

LP : sarrafos horizontais com dimensão de pontaletes.

LI : sarrafo inicial antes da colocação do sarrafo padrão.

Obs : Todas estas dimensões estão definidas no arquivo de critérios.

j : número de sarrafos horizontais.

y1 : distância entre o início do pilar e o primeiro sarrafo.

y2,....yj : distâncias entre o sarrafo atual e o anterior.

[(REB /REBX)] - Indicam que o pilar terá um rebaixo (pequena extensão no comprimento de pilares não apoiados em lajes para evitar vazamentos). A diferença entre eles é que REB assume que a altura do pilar já inclui a dimensão do rebaixo, enquanto REBX acrescenta esta dimensão ao comprimento do painel automáticamente.

[DPH y1 [{,yn}]] - Define a presença de divisões de paineis, sendo representado no pilar através de umtraços vertical. Deve ser fornecida uma distância para cada divisão, correspondente a coordenada y no retângulo externo subtraida a coordenada y da divisão anterior (se houver).

A seguir veremos exemplos de comandos e seu desenho abaixo.

P1 RET 50. 20. A B C D

A 72.6 265.6 SEI 0. 265.6 EPB SA SDI 0. 265.6 -

REC 45. 230.7 27.6 34.9 -

GRAV 2 21.3 30. 5 30. 40. 50. 50. 50.

B 20. 212.7 EPB V

C 72.6 212.7 SEI 0 212.7 EPB SA SDI 0 212.7 -

GRAV 221.3 30. 4 30. 40. 50. 50.

D 20. 212.7 EPB V

2110378ea59cba9927fc172d7fe2bba3.png

P2 RET 20. 60. A B C D

A82.6 215.7 -

SEI 0. 215.7 SEV 185.7 215.7 EPB SA -

SDI 0. 215.7 SDV 185.7 215.7 -

GRAV 3 21.3 20. 20. 6 25 25 25 25 50 50 EPC MSC

B 20., 215.7 EPB V EPC MSC

C 82.6 265.6 -

SEI 0. 215.7 EPB SA -

SDI 0. 215.7 -

REC 37. 185.7 45.6 39.9-

REC 0. 85.7 45.6 39.9-

GRAV 3 21.3 20. 20. 6 25 25 25 25 50 50 EPC MSC

D 20. 215.7 EPB V EPC MSC

6fdc3794131b7b858f463b4b73f05ba0.png

P4 RET 20. 60. A B C D

A 82.6 215.7 -

SEI 0. 215.7 SEV 185.7 215.7 EPB SA -

SDI 0. 215.7 SDV 185.7 215.7 -

GRAL 3 21.3 20 20 6 25 25 25 25 50 50 EPC MSC

B 20 215.7 EPB V EPC MSC

C 82.6 265.6 -

SEI 0. 215.7 EPBSA -

SDI 0. 215.7 -

REC 37. 185.7 45.6 39.9-

REC 0. 85.7 45.6 39.9-

GRAL 3 21.3 20.20. 6 25 25 25 25 50 50 EPC MSC

D 20. 215.7 EPB V EPC MSC

17a88b6f2aeb2fa61987be957c44ff77.png

P5 RET 20. 60. A B C D

A 82.6 215.7 -

SEI 0. 215.7 SEV 185.7 215.7 EPB SA -

SDI 0. 215.7 SDV 185.7 215.7 -

GRAM 3 21.3 20 20 6 25 25 25 25 50 50 EPC MSC

B 20.,215.7 EPB V EPC MSC

C 82.6 265.6 -

SEI 0. 215.7 EPBSA -

SDI 0. 215.7 -

REC 37. 185.7 45.6 39.9 REC 0. 85.7 45.6 39.9 -

GRAM 3 21.3 20 20 6 25 25 25 25 50 50 EPC MSC

D 20. 215.7 EPB V EPC MSC

c888b673ea5ec5d7930439ef179697ed.png

P6 RET 50 20 A B C D

A 72.6 265.6 SEI 0. 265.6 EPB SA SDI 0. 265.6 -

REC 45 230.7 27.6 34.9 -

L 6 50 40 40 40 40 40 -

GRAV 2 21.3 30 5 30 40 50 50 50

B 20 212.7 EPB V

C 72.6 212.7 SEI 0. 212.7 EPB SA SDI 0.212.7 -

L 5 50 40 40 40 40 -

GRAV 2 21.3 30 4 30 40 50 50

D 20 212.7 EPB V

a4db97a0db45c652bdad0da68323a910.png

LDM para Garfos

Os dados do LDM de todos os garfos de um projeto são gravados em um arquivo chamado GAR-nnnn.LDM, onde nnnn é o número do projeto.

Exemplo de um arquivo .LDM para garfos:

G36 V32 4 V36 6 -

PD 280. -

B 12. H 45. DFS0. LE 0. DFE 0. LD 10. DFD 0.

Apresentamos a seguir a sintaxe de definição do arquivo .LDM

Obs : novamente usaremos os seguintes símbolos especiais

[ ] - Item que pode ser omitido caso não seja necessário.

{ } - Item que pode ser repetido o número de vezes que forem necessárias.

(A/B/..) - Item alternativo onde deve constar uma e apenas uma das opções.

Identificação dos garfos e sua descrição completa

Gggg {[Vvvv m]} {[Ljjj m]} PDpd Bb Hh [DFS dfs] -

[LE le] [DFE dfe] [LD ld] [DFD dfd]

Gggg : Aqui informamos o número do garfo (ggg) com 3 digitos.

  • [Vvvv q] : Diz quantos garfos (q) pertencem a qual viga (vvv). Repetir para todas as vigas com este garfo.
  • [Ljjj q] : Diz quantos garfos (q) pertencem a qual laje (jjj). Repetir para todas as lajes com este garfo.
  • Pd pd : é o valor do pé direito para desenho do garfo. É medido entre a cota do piso do topo do garfo e a cota do piso imediatamente inferior.
  • B b : largura da viga de concreto que o garfo deverá suportar
  • H h : altura da viga de concreto que o garfo deverá suportar
  • [DFS dfs] : distância da cota de referência do piso a cota da face superior da viga.
  • [LE le] : espessura da laje a esquerda
  • [DFE dfe] : distância da cota do piso a cota da face superior da laje esquerda.
  • [LD ld] : espessura da laje a direita
  • [DFD dfd] : distância da cota do piso a cota da face superior da laje a direita.

d)Exemplo de desenho de garfo

G10 V15 3 -

PD 280. -

B 12. H 45. DFS 0. LE 10. DFE 17.5 LD 0. DFD 0.

6c0a437cd4ca7734214020ea010d6d2c.png